A adopção de crianças por casais do mesmo sexo – efeitos secundários

Opinião

 

Opinar a causa adopção impõe ponderar o compassivo mundo real. A infância exposta ao abandono hipoteca toda a sociedade. A providência, a responsabilidade, o tema em si, exige transparência e sinceridade por parte de todos. A unanimidade face ao esforço em propósito restituir às crianças abandonadas o elevado valor que na íntegra deverá pertencer a todos, o Lar, força a um pacto que abstenha feitios, inclinações políticas e teorias que impeçam a urgente, rápida, resolução individual de cada caso. A dívida dos adultos perante a infância actual, carecida de apoios, educa, projecta e espelha o destino de toda a nossa sociedade.

 
O nº 1 do artigo 69.º da Constituição Portuguesa é claro: “As crianças têm direito à protecção da sociedade e do Estado, com vista ao seu desenvolvimento integral, especialmente contra todas as formas de abandono, de discriminação e de opressão e contra o exercício abusivo da autoridade na família e nas demais instituições.”
 
A causa nobre: “adopção de crianças por casais do mesmo sexo” visa responder às necessidades urgentes que pressionam civicamente a nossa sociedade. Visa, também, democratizar ainda mais a liberdade. O direito que todos possuem, independentemente da sua orientação sexual, em viver uma vida digna usufruindo da legitimidade de contribuir para a educação dos nossos descendentes, cooperando, assim, no combate ao abandono das crianças. No entanto, em consideração que todos os remédios produzem efeitos secundários e que, neste caso, serão devastadores. Portugal, em minha opinião, não está preparado para responder ao impacto provocado pelos casos de insucesso que provenham desta medida. Essas crianças terão na pele o infortúnio que às reservará para sempre. É necessário, em primeiro lugar, educar mentalidades. A médio prazo a descriminação sofrida por parte dos casos mal sucedidos, será “caldo” saboroso que a comunicação social usará para aumentar audiências. É esta a infeliz realidade que se vive no nosso País. O choque de normas legisladas permite que num plano menos ético se exponham casos infelizes e que são de responsabilidade e de interesse comum a todos. Os homens de amanhã exigirão justiça!...
 

 

publicado por qvieira às 15:25 | link do post