Quarta-feira, 02.08.17

MÃE

Mãe,

 

Comigo a pensar, para ti hoje me dei
E à consciência que tantas lembranças advém
Em letras perpétuo, pois doutro modo não sei
Prisioneiro da angústia de quem já não te tem

 

É verdade Mãe,

 

Cinco anos que já partiste, eu sei
Daí a homenagem que hoje te faço
Recorrer à saudade, a forma que achei
Para em poesia imortalizar-te um abraço

 

Pensar em ti torna-me forte
Na tua identidade que hoje me mantém
Serás para mim sempre o suporte
Onde quer que eu esteja MÃÃÃEEEE!

 

- Quirino Vieira

MAE__.jpg

 

publicado por qvieira às 05:57 | link do post | comentar
Terça-feira, 20.07.10

Atouguia, fundo do vale: Calvos pequeninos – nus de pele branca

Na Calheta, antigamente, quando a era do desenvolvimento regional e quando a aproximação rodoviária ao centro da ilha, Funchal, ainda era um mito, as populações da localidade contentavam-se com modos de vida mais sedentários. A essência da maioria dos calhetenses ministrava-se de forma bem mais original, regia-se o dia-a-dia por costumes e tradições próprias de uma terra, na época, ainda pouco exposta ao consumismo. Os dias de hoje, controlados pelo capitalismo, por si só, ameaçam a garantia de um futuro sustentável para as gerações vindouras, criam a pavorosa dúvida sobre a estabilidade do futuro, criam a eminência atroz que horroriza as mentes já receosas. Tudo que acaba por omitir a beleza natural que esta ilha nos oferece, tudo que esconde o lindo clima que esta pérola nos proporciona…

 

Ilustres piscinas naturais, que estais hoje expostas ao abandono; para muitos, nunca cairás no esquecimento. Ó formosuras espalhadas por vários pontos do caudal da ribeira, dona de vale fundo, compostas por declives e quedas de água: fostes vós consideradas autênticas “escolas de natação”, as testemunhas “oculares” do tronco nu de muitas crianças; muito que, por várias gerações, fostes consultadas. Por filhos, por pais e… por avós!...

 

Desde os nove anos de idade, a adesão diária ao mergulho, em época de verão, fazia-se em massa. Rãs no imediato, nem vê-las! Estes “sapos da poça” eram de penugem, que na tenra idade, os cabelos, apenas se contavam sobre a cabeça; calvos pequeninos – nus de pele branca. Eram estes utentes, os menores, responsáveis por aquele barulho ao fundo do vale, os responsáveis pelas pranchadas na água acompanhadas pelos gritos jovens e pelo barulho da corrente. Ouvia-se cá de cima! Eram os “artistas”, autores, dos prejuízos nos terrenos de feno abundante que circundava o leito do caudal. As fugas à pedrada, proveniente dos seus donos impertinentes, eram encaradas, pelos pequeninos, como porfias desportivas. As fugidas a jusante do percurso de água, de pés descalços e sobre o irregular monte de calhaus, eram o “prato do dia” composto pela adrenalina elevada e pelo “salve-se quem puder”, vista pelos pequenitos como “cereja sobre o bolo”, após a fadigada tarde de fanfarras na zona. Seguiam-se os ataques aos frutos silvestres; as papaias, as amoras, os tabaibos, as nêsperas, pouco lhes dava o bicho!... O regresso era já à noitinha, a mancha molhada, no rabo, era o único que transparecia de mais um dia de piscinas naturais dos calvos pequeninos – nus de pele branca…

 

A foz do vale acentuado, ladeado pela falésia que sua base, hoje, se assemelha ao Rio de Janeiro, por estar coberta de quadrúpedes e de areia cor-de-laranja que no Inverno espelha o seu medíocre valor, pouco, ou nada, condizente com o traçado original da referida enseada, fruto de pedregulhos caídos do acentuado rochedo que ainda hoje ameaça descambar sobre a ingenuidade humana!... Foi, na altura, na sua versão mais original, o destino que sucedeu as poças da ribeira dos então já grandinhos!...

 

- Quirino Vieira.

IMG_20170205_160554_1111.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Poça da laja" - Ribeira do Lombo da Atouguia - Calheta, ilha da Madeira.

 

 

 

publicado por qvieira às 15:00 | link do post | comentar
Quarta-feira, 26.05.10

Blogue-animal de estimação, a testemunha do meu umbigo

Considero o presente blogue o meu animal de estimação preferido, não descurando, claro, o galo novo da vizinha que é o portador herdeiro das maravilhosas sinfonias, deixadas pelo galo velho já falecido, que são uma espécie de despertador sarcástico responsável pelo enceto da minha boa disposição diária. Entre outros, o blogue lá vai comandando o ranking das minhas preferências…

É verdade, denomino-o, o meu diário da Web, por animal de estimação distintivo por várias razões… Primeiro, por ser um companheiro ao nível do meu umbigo, o mais estimado, claro. Segundo, pelas vantagens que acarreta em relação a outros animais, seres vivos, no que toca designadamente à ausência de alguns cuidados a ter como: higiene, alimentação, etc. Se bem que para usufruir do prezado companheirismo de um blogue a tempo inteiro, o custo da factura proporcione a sensação de posse de afanípteros saltadores pelo corpo todo equivalente àqueles que às vezes se instalam no couro dos peludos de quatro patas. Enfim, prós e contras… Terceiro, um blogue é um blogue, é o espelho quotidiano do nosso estado de espírito, é a projecção de ideias, improvisos, críticas, manias, tontices e pouco mais de útil para a sociedade. Essa coisa de, o meu blogue é melhor que o teu, é equivalente à minha pila ser maior do que a tua! O blogue não é o lugar certo para gritar ao mundo que tenho um crânio, pois ele é apenas o meu animal de estimação, a testemunha do meu umbigo. Se postar um artigo, aqui, no meu fiel companheiro, sobre arte ou sobre algo de muito proveitoso em relação à solidariedade de interesses, e, se postar outro sobre os escaldantes mistérios da costela de Adão (mulher), sem nada de artístico, qual destes me proporcionará mais visitas?... Áh! Eu não me preocupo com visitas, o meu blogue não tem como objectivo os visitantes, indignam-me os anónimos, os trolls, os chatos, as alfaces. Então afinal para que serve um blogue? Para limpar o cu?... Os filtros do Google analytics testemunham que as keywords mais usadas pelas buscas provenientes de provedores de serviços relativos a instituições de alto gabarito, por vezes, espelham na realidade o que procura o consumidor da blogosfera… Que mais poderia eu cuscar no animal de estimação da vizinha?...

publicado por qvieira às 02:09 | link do post | comentar
Segunda-feira, 30.11.09

A adopção de crianças por casais do mesmo sexo – efeitos secundários

Opinião

 

Opinar a causa adopção impõe ponderar o compassivo mundo real. A infância exposta ao abandono hipoteca toda a sociedade. A providência, a responsabilidade, o tema em si, exige transparência e sinceridade por parte de todos. A unanimidade face ao esforço em propósito restituir às crianças abandonadas o elevado valor que na íntegra deverá pertencer a todos, o Lar, força a um pacto que abstenha feitios, inclinações políticas e teorias que impeçam a urgente, rápida, resolução individual de cada caso. A dívida dos adultos perante a infância actual, carecida de apoios, educa, projecta e espelha o destino de toda a nossa sociedade.

 
O nº 1 do artigo 69.º da Constituição Portuguesa é claro: “As crianças têm direito à protecção da sociedade e do Estado, com vista ao seu desenvolvimento integral, especialmente contra todas as formas de abandono, de discriminação e de opressão e contra o exercício abusivo da autoridade na família e nas demais instituições.”
 
A causa nobre: “adopção de crianças por casais do mesmo sexo” visa responder às necessidades urgentes que pressionam civicamente a nossa sociedade. Visa, também, democratizar ainda mais a liberdade. O direito que todos possuem, independentemente da sua orientação sexual, em viver uma vida digna usufruindo da legitimidade de contribuir para a educação dos nossos descendentes, cooperando, assim, no combate ao abandono das crianças. No entanto, em consideração que todos os remédios produzem efeitos secundários e que, neste caso, serão devastadores. Portugal, em minha opinião, não está preparado para responder ao impacto provocado pelos casos de insucesso que provenham desta medida. Essas crianças terão na pele o infortúnio que às reservará para sempre. É necessário, em primeiro lugar, educar mentalidades. A médio prazo a descriminação sofrida por parte dos casos mal sucedidos, será “caldo” saboroso que a comunicação social usará para aumentar audiências. É esta a infeliz realidade que se vive no nosso País. O choque de normas legisladas permite que num plano menos ético se exponham casos infelizes e que são de responsabilidade e de interesse comum a todos. Os homens de amanhã exigirão justiça!...
 

 

publicado por qvieira às 15:25 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Quarta-feira, 14.10.09

Acta - Escola Profissional Cristóvão Colombo

 

ACTA

 
 
Aos treze dias do mês de Outubro de dois mil e nove, pelas vinte e duas horas e dez minutos, realizou-se na Escola Profissional Cristóvão Colombo uma reunião presidida pela Tutora do módulo e com a presença dos nºs: um a vinte e três da turma em questão, com a seguinte ordem de trabalhos: Debate do novo capítulo nos costumes da formação profissional pós-laboral e aprovação das alterações do acórdão conspirativo sobre a realização de jantares comemorativos.
 
Com vista a realizar um inquérito sobre a aprovação e escolha do respectivo restaurante relativo aos jantares conspirativos da comemoração, foi proposto pela assembleia que o consentimento e submissão do evento, por parte de todos os formandos, transitem de apenas opção para obrigação.
 
A presente acta não tem como objectivo ferir susceptibilidades.
 
Foi o quebrar de algo que já há muito a causa exigia. O clima da minoria foi prontamente confrontado com diversos argumentos e teorias, associadas aos factos, que a maioria composta pelos defensores do sistema imputou.
 
Assim, ficou deliberado democraticamente através do direito ao usufruo da liberdade, sendo que na maior parte dos casos se verificou unanimidade nas decisões, que os obstantes da proposta agem em conformidade com os direitos descritos na Constituição Portuguesa. Ficando acordado, no entanto, que o sigílio das comemorações se mantenha intacto. As fotos, os vídeos e demais registos que testemunharão as ilustres tertúlias, ficarão na exclusividade em posse e apenas dos intervenientes da causa, com vista o impedimento de possíveis represálias impostas pelos censuradores da matéria.    
 
E, nada mais havendo a tratar, às vinte e duas horas e trinta minutos do mesmo dia, foi lavrada a presente acta que, depois de lida e aprovada, vai ser assinada pelo presidente e por mim, ************* , na qualidade de secretário, que a redigi.
 
O Presidente                                O Secretário
________________                   _________________
 

 

publicado por qvieira às 16:13 | link do post | comentar
Terça-feira, 15.09.09

Marítimo da Madeira Futebol SAD

"Actualmente com cerca de 24 mil sócios inscritos sendo que no entanto apenas 1/3 têm as quotas em dia", o Clube Sport Marítimo, com as novas infra-estruturas, nomeadamente o complexo desportivo de S.to António e a construção, em curso, do novo Estádio dos Barreiros, ascenderá de forma significativa os seus associados, elevando assim, esse número, para o equivalente ao total de contribuintes da Região (245 mil). Foi tornado público que para além dos terrenos cedidos para sua construção, o Governo Regional comparticipou em 40% do financiamento das obras do novo estádio (40% 36 milhões de euros).

Os Portugueses do continente, devido à conhecida alteração da Lei das finanças Regionais e o respectivo corte de verbas monetárias para a Madeira, ficaram impedidos de se juntarem na ampliação da massa associativa do respectivo clube. Corte de verbas que prejudicou na parte orçamental da construção, levando a que a volumetria das obras tivesse de ser forçadamente reduzida. A capacidade de lotação projectada (9 mil lugares cobertos) não abrangerá os 12 mil desempregados do arquipélago. Assim, parte dos desempregados sócios do Marítimo, madeirenses, contribuintes e eleitores Portugueses são vítimas de políticas continentais que denegrecem o futebol…
A partir de Novembro de 2010 com a conclusão das obras, inauguração e festividades do centenário, o Marítimo será o clube com mais sócios em Portugal (cerca de 245 mil), ultrapassando largamente os 170 mil do Benfica. Responsabilidades acrescidas terão os responsáveis do clube… A Champeões League não será apenas um dos sonhos do sonhador presidente do Marítimo, Carlos Pereira, será objectivo obrigatório!...
O Marítimo da Madeira Futebol SAD, para além do clube de todos nós Madeirenses, a curto prazo tornar-se-á a Religião oficial Portuguesa. Os jogos realizados na parte da manhã, na Madeira, inédito no mundo, substituirão, na TV, a celebração da Missa dominical… Deus no céu e o Marítimo na terra!!...
 
 
publicado por qvieira às 16:17 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 08.06.09

Composição

O raciocínio até era considerável... O último parágrafo estragou tudo!

(Clique em cima da imagem para ampliar ou vá trocar as lentes dos óculos)

publicado por qvieira às 15:26 | link do post | comentar
Terça-feira, 21.04.09

Tempos de Reflexão

 

Protestos e manifestações dos professores... Greve dos enfermeiros... Ohh!...Já se calaram?

A crise chega a todos, não é?...

 

"O horizonte está nos olhos e não na realidade."(Angel Ganivet)

 

publicado por qvieira às 15:45 | link do post | comentar
Quarta-feira, 24.12.08

Poente

 

 

Com certeza um cenário adorado por todos! Humanos, animais e até plantas. Todos reagem a este momento que enfeita o final do dia no horizonte. Os diferentes gostos de cada um podem discutir milhares de belezas existentes no mundo, mas a beleza natural que não tem moda, essa, não é discutida.

O fluxo luminoso projectado pelo sol no mar, o último suspiro do dia, transmite-nos um sinal de esperança num horizonte cada vez mais distante e esquecido, por culpa de ambições humanas cada vez mais virtuais.

Este fechar de porta do dia e acompanhado pelos rugidos de alguns animais, descreve quão importante é a natureza. Será uma chamada de atenção?... O amanhã virá com certeza!... Nos tempos modernos, a luz artificial acaba por esconder em parte a sensação do bem-estar que este cenário transmite, o que faz com que as novas gerações cada vez menos recorram à sensação única do desaparecer do sol no horizonte, e desvalorizem ou esqueçam o tamanho da importância da natureza nas nossas vidas. Havemos um dia pagar caro por isto…

 

Quirino Vieira - 2008

 

publicado por qvieira às 20:01 | link do post | comentar
Domingo, 27.07.08

A arte de desenrascar-se!

publicado por qvieira às 14:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Related Posts with Thumbnails
Related Posts with Thumbnails

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Outubro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

arquivos

tags

participar

twitter icons

subscrever feeds

blogs SAPO